Juiz nega recurso de produtor rural que matou agrônomo de Sinop e julgamento permanece no Júri

Juiz nega recurso de produtor rural que matou agrônomo de Sinop e julgamento permanece no Júri

Na decisão recorrida, do último dia 16 de abril, o juiz determinou que Paulo Faruk seja julgado no Tribunal do Júri pelo crime de homicídio, com as qualificadoras de motivo fútil e recurso que dificultou a defesa da vítima.

Por Olhar Direto 29/04/2020 - 11:35 hs

O juiz Rafael Depra Panichella, da Vara Única de Porto dos Gaúchos (a 650 km de Cuiabá), negou um recurso interposto pela defesa do produtor rural Paulo Faruk de Moraes  contra a decisão de pronúncia, que determinou o julgamento dele pelo Tribunal do Júri. Faruk confessou ter matado o engenheiro agrônomo Silas Henrique Palmieri Maia, em fevereiro de 2019. Toda a ação foi flagrada por câmeras e testemunhas.

A decisão foi proferida nesta terça-feira (28). O magistrado citou que a defesa do produtor rural interpôs um recurso, tendo em vista a decisão de pronúncia. Na decisão recorrida, do último dia 16 de abril, o juiz determinou que Paulo Faruk seja julgado no Tribunal do Júri pelo crime de homicídio, com as qualificadoras de motivo fútil e recurso que dificultou a defesa da vítima.

Ao analisar o recurso o juiz concluiu que sua decisão anterior não deve ser modificada. Ele também intimou o Ministério Público para que se manifeste sobre esta decisão. Paulo Faruk continua preso e não pode recorrer em liberdade.

O homicídio

Segundo uma testemunha que ajudou a socorrer Silas, era aproximadamente 13h00 do dia 18 de fevereiro de 2019 quando ambos (vítima e testemunha) estavam sentados em uma mesa, na lanchonete Fogão a Lenha da Rodoviária do povoado Novo Paraná, município de Porto dos Gaúchos.

Em certo momento, sem notar a aproximação, se assustaram com uma pessoa que chegou por trás, sacou uma pistola e efetuou dois ou mais disparos direto na cabeça da vítima, que caiu no chão já sem reação.

Em seguida o autor do crime saiu andando em direção ao seu veículo, olhando para trás para se certificar que havia matado à vítima. Imediatamente foi realizado socorro médico no Posto de Saúde daquele povoado, sendo depois a vítima encaminhada para Hospital de Porto dos Gaúchos, mas não sobreviveu.

Silas trabalhava para uma empresa que comercializa insumos agropecuários e teria ido ao município fazer cobranças a Paulo. O suspeito, Paulo Faruk, foi preso depois e confessou o crime.