Medeiros "matou" Bolsonaro na terra do agronegócio, diz jornalista

Medeiros "matou" Bolsonaro na terra do agronegócio, diz jornalista

Afinal, no Estado, o presidente é (ou era) considerado, pelos seus devotos, um líder com a maior capacidade de transferir votos.

Por Díario de Cuiabá 19/11/2020 - 14:56 hs

A derrota de Jair Bolsonaro em Mato Grosso, com a Coronel Fernanda (Patriota) na disputa pelo Senado, é considerada um duro revés.

Afinal, no Estado, o presidente é (ou era) considerado, pelos seus devotos, um líder com a maior capacidade de transferir votos.

Para o jornalista Eduardo Gomes, experiente observador da cena política estadual, na guerra pela vaga que era de Selma Arruda (Podemos), “sobravam votos para uma folgada vitória do bolsonarismo na terra do agronegócio”.

Para Gomes, o deputado federal José Medeiros (Podemos), contrariando todas as pesquisas, sustentou “uma candidatura inglória”.

E, com ela, dividiu o eleitorado do presidente em duas chapas: uma encabeçada pela Coronel Fernanda, e outra, a dele. 

“Eleitoralmente, Medeiros matou Bolsonaro na terra do agronegócio. Faltou razoabilidade política e, essa, foi extremamente benéfica ao biônico Carlos Fávaro, que disputou enrolado numa imaginária bandeira do agronegócio”, completou o jornalista.