Preso de 79 anos que foi condenado por matar mulher morre de Covid-19 em Alta Floresta

Preso de 79 anos que foi condenado por matar mulher morre de Covid-19 em Alta Floresta

Otávio Lindolfo da Silva apresentava sintomas parecidos com os da doença e passou por atendimento médico na própria unidade na última segunda-feira (25).

Por G1 MT 30/05/2020 - 09:26 hs
Foto: Divulgação
Um idoso de 79 anos que estava preso na Cadeia Pública de Alta Floresta, a 800 km de Cuiabá, morreu nessa quinta-feira (28) após testar positivo para Covid-19.

A informação foi confirmada pela Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp-MT), que notificou a Secretaria Estadual de Saúde (SES).

Otávio Lindolfo da Silva, de 79 anos, apresentava sintomas parecidos com os da doença e passou por atendimento médico na própria unidade na última segunda-feira (25), quando o médico solicitou que ele passasse por avaliação no posto de saúde próximo da unidade.

De lá, ele foi transferido para o Hospital Regional, onde foi confirmado o diagnóstico de Covid-19 e passou a ser acompanhado na ala destinada aos pacientes com a doença, mas não resistiu e morreu. A unidade penitenciária desconhece se o recuperando sofria de qualquer outra comorbidade.

Esta é a segunda morte de presos da unidade de Alta Floresta.

A primeira ocorreu na última quarta-feira (27), também com um idoso de 76 anos. Um preso com o diagnóstico já confirmado, segue internado no Hospital Regional.

Outros cinco presos testaram positivo para a doença, mas apresentam sintomas leves e estão em isolamento dentro da própria unidade. Outros quatro reeducandos estão com suspeita da doença e aguardam o resultado do exame.


A SES foi notificada sobre a morte em Alta Floresta. Contudo, essa demanda específica, que envolve informações da Segurança Pública, deve ser tratada junto à Sesp.

Otávio Lindolfo da Silva foi condenado a 20 anos de prisão por ter assassinado a mulher, Cacilda Maria da Silva, no dia 17 de março de 2017, no sítio em que o casal morava, em Carlinda, a 724 km da capital.

Conforme a Justiça, ele agiu de forma cruel, mediante recurso que dificultou a defesa da vítima e praticando feminicídio, em razão da condição de gênero feminicídio, desferiu 12 golpes de arma branca, tipo canivete, causando-lhe as lesões corporais e, consequentemente, a morte.

O suspeito teria matado a companheira, de 75 anos, possivelmente por ciúmes da vítima com o vizinho da chácara.

O corpo foi localizado na residência por familiares da vítima, que acionaram a polícia. As equipes das Polícias Civil e Militar imediatamente iniciaram a coleta de informações e as diligências em busca do suspeito. Poucas horas após cometer o crime, o idoso foi localizado quando saía de um matagal, na Avenida Arapongas, próximo a linha 23.