Secretário de Saúde de Altamira presta esclarecimentos na Câmara Municipal

Secretário de Saúde de Altamira presta esclarecimentos na Câmara Municipal

Diante das respostas apresentadas pela equipe da Saúde no plenário da Câmara, a maioria dos vereadores resolveu então esperar o parecer final da sindicância que apura a denúncia da suposta compra

Por A Voz do Xingu 07/05/2020 - 12:16 hs

Vereadores de Altamira, no sudoeste do Pará, ouviram na tarde de quarta-feira, 6, o secretário de saúde do município, Renato Mengoni Júnior, sobre as constantes denúncias feitas pelos funcionários, como a retirada das insalubridades, diminuição dos salários, demissões e falta de equipamentos básicos como EPIs para os profissionais que estão na linha de frente no combate ao coronavírus.

Por cerca de duas horas o secretário Renato Mengoni e o Coordenador de Saúde do Município, enfermeiro Ney Carvalho, responderam às perguntas dos parlamentares e afirmaram que parte dessas situações já está sendo resolvida.

Os responsáveis pela saúde do município também fizeram uma explanação, sobre a estrutura que está sendo montada para atender a população nesse período de pandemia. Segundo eles, uma ala com 18 leitos tendo capacidade para até 21, já foi reservada no Hospital Municipal, só para atender a pacientes que apresentem sintomas do vírus. Ainda de acordo com eles, medicamentos e testes rápido estão sendo providenciados, mas com a situação vivenciada no momento no país, está sendo complicado, porque além da falta de produtos no mercado para serem adquiridos, praticamente tudo está sendo vendido baseado no dólar, ou seja, a cada dia os preços dos produtos tem aumentado bastante.

De acordo com Coordenador de Saúde, Ney Carvalho, o município recebeu até o presente momento R$ 652.836,19, (seiscentos e cinquenta e dois mil, oitocentos e trinta e seis reais e dezenove centavos) do Governo Federal para combater o coronavírus, e que esses recursos vão começar a ser aplicados a partir agora. Em relação a prestação de contas desses valores, o Coordenador explicou que foi emitido o Decreto Municipal de nº 1.228, assinado pelo prefeito Domingos Juvenil, no último dia 23 de abril, e que estabelece as normas de como devem ser aplicados os recursos, bem como deve ser a prestação de contas dos valores que forem investidos no combate à pandemia.

Em relação a denúncia feita pela Vereadora Socorro do Carmo, de uma compra no valor de mais de R$ 28 mil, referente a móveis de luxos, e que supostamente teriam sido pagos com recursos do Fundo Municipal de Saúde de Altamira e entregue na casa de uma servidora da secretaria, Renato Mengoni afirmou que já foi aberta uma sindicância, formada por 3 funcionários para apurar o caso.

De acordo com presidente da sindicância, Adilson Anjos, que também se fez presente na reunião com os vereadores, dentro de no máximo 10 dias uteis, a Comissão já terá um parecer final sobre essa denúncia.

Diante das respostas apresentadas pela equipe da Saúde no plenário da Câmara, a maioria dos vereadores resolveu então esperar o parecer final da sindicância que apura a denúncia da suposta compra, para decidir se vão dar prosseguimento ou não na abertura de uma CPI para investigar a Saúde do município.