Filho tomou cerveja com mãe antes de supostamente matá-la com 23 facadas em VG, diz polícia | VGN

Reprodução

image

Filho tomou cerveja com mãe antes de supostamente matá-la com 23 facadas em VG, diz polícia

O jovem identificado pelas iniciais V.H., 18 anos, teve sua prisão em flagrante convertida para preventiva, após ser acusado de matar a própria mãe a facadas, na madrugada dessa segunda-feira (1º.08), na residência da família, no bairro Parque Paiaguás, em Várzea Grande.

Leia matéria relacionada – Mulher é encontrada morta em residência de VG e filho é suspeito

Enfermeira morta em VG, já havia registrado ocorrência contra o filho

Em depoimento, o suspeito negou que tenha matado a enfermeira e contou que antes do crime, ele e a mãe foram juntos comprar cerveja e cigarro. Segundo ele, a mãe ficou um pouco na calçada onde eles estavam com um amigo bebendo, e logo entrou para casa com a sacola de latinhas. Ele disse que fumou um cigarro e foi dar uma volta no quarteirão e quando voltou, percebeu que o portão e a porta da sala estavam abertos.

O suspeito contou que encontrou a mãe caída na sala e tentou virá-la, mas não conseguia olhar o rosto dela. Ele disse que saiu para rua gritando por socorro e chegou a ir até à casa do amigo que estava bebendo com ele, mas o mesmo estava dormindo.

Um vizinho que viu a movimentação foi até o local, viu a enfermeira morta e em seguida acionou a polícia e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Quando o Samu chegou no local, constatou que a mulher havia sido morta com arma cortante. A faca utilizada no crime foi localizada pelos policiais na soleira da janela do banheiro. A faca de serra foi lavada, porém, na parede também havia vestígios de sangue.

No local, o suspeito foi encontrado em visível efeito de álcool ou de outra substância psicoativa, e mesmo detido e colocado na viatura da Polícia Militar, chutava o veículo e proferia várias palavras de baixo calão contra os policiais militares.

As investigações conduzidas pela Delegacia de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), por meio das oitivas de testemunhas e também de um boletim de ocorrência registrado pela vítima, apontaram que mãe e filho possuíam desentendimentos anteriores.

Entre as causas estariam o furto de celular da vítima atribuído ao suspeito, tarefas da casa, o fato de o filho ter largado o emprego, além da desconfiança da vítima sobre o envolvimento dele no mundo das drogas.

Fonte VG Notícias

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI
Já assistiu aos nossos novos vídeos no
YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!