Como descobrir o sentido da vida

Quem é você? É assim que começa a fantástica narrativa do livro “O Mundo de Sofia”, do escritor norueguês e professor de filosofia Jostein Gaarder. Ele encontrou uma maneira inusitada de estimular os adolescentes a estudar filosofia.

Mas e você, já se fez essa pergunta? Quem é você? Quando nos fazemos essa pergunta teremos como resposta nosso nome civil, nossa origem familiar, nossa profissão, e uma série de atributos pelos quais nos identificamos socialmente, mas lá no fundo, sabemos que nenhuma das respostas nos satisfaz, nenhuma delas responde de verdade à pergunta. Quem somos nós na essência? A filosofia é a arte de questionar a vida.

Ao contrário do que se pensa, a filosofia está muito próxima de nós. Ela faz parte de nosso dia a dia. Estamos o tempo todo refletindo sobre nós mesmos, sobre o mundo, e até mesmo sobre Deus. Atualmente somos empurrados pela globalização, pela padronização, pelos anseios pré concebidos. Somos lançados no mundo e logo começamos a correr atrás do próprio rabo, adotando uma série de condutas impensadas, buscando objetivos que nem sequer sabemos se são mesmos nossos.

Como a sociedade pode saber o que devemos fazer, o que devemos buscar, o que devemos pensar, falar, ou como agir, se nem mesmo nós nos conhecemos de verdade? Talvez o mais importante na vida seja exatamente isso, saber quem somos. Só sabendo quem somos de verdade podemos pensar no que gostamos e no que queremos. Sem isso nossa vida é toda desperdiçada, toda jogada fora.

Viver não deveria ser simplesmente passar os dias, mas efetivamente “criar” algo novo, especial, intrinsecamente ligado a cada um de nós. Interessante que o termo grego que indica o ato de criar seja “Poiésis”, ou, poesia. A poesia faz parte de nossa tradição oral desde tempos imemoriais. Há registros da poesia desde o início da escrita, seja em hierogrifos egípcios, gathas de Zoroastro e vedas indianos. Esses registros são de cerca de 3.000 anos antes de Cristo.

Quando estamos seguindo nosso próprio caminho a vida é leve e cheia de poesia. É uma vida musical. Isso sim é viver. Mas isso só é possível se tivermos coragem de romper as correntes do tradicionalismo, pois tradição é exatamente algo que vem sendo feito por gerações, exatamente da mesma forma.

Mas não somos iguais. Como pode ser bom que todos tenham a mesma opinião, os mesmos gostos, e sigam a mesma rotina? Parece a você tanto quanto para mim que uma boa parcela de nós estará sempre insatisfeito e infeliz por agir como um robô, seguindo comandos e programas que não escrevemos?

Imagem: o mundo de sofia Como descobrir o sentido da vida
Livro o Mundo de Sofia de Jostein Gaarder – Foto: Reprodução

No livro mencionado, a personagem se vê envolva em um turbilhão de questionamentos, e é esse exercício responsável da reflexão e do pensamento, que permite a ela resolver grandes questões existenciais, se descobrir, e “criar” sua própria vida, com o mínimo de interferência e coação externas. E você, não gostaria de pensar com a própria cabeça, e escolher os próprios desejos e objetivos? Como fazer isso se você nunca dá uma pausa para refletir sobre quem é você de verdade, o que você gosta, o que você quer? Sejamos buscadores, procurando sempre, sempre…

 

Fonte Agora MT

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI
Já assistiu aos nossos novos vídeos no
YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!