A R$ 5,499, dólar acumula alta de 1,74% na semana; Bolsa sobe 2,46%

O dólar comercial encerrou o dia quase estável, com valorização de 0,05% e cotado a R$ 5,499 na venda. Na semana, a moeda estrangeira acumulou ganho de 1,74%, emendando a segunda alta semanal.

O cenário externo é de medo de uma recessão global, com o mercado ainda repercutindo a elevação das taxas básicas de juros da zona do Euro pela primeira vez em 11 anos pelo BCE (Banco Central Europeu), anunciada ontem, e especulações de um maior aperto inflacionário pelo Federal Reserve, o Banco Central dos Estados Unidos, que tem reunião agendada para a semana que vem.

Uma taxa de juros mais alta nos Estados Unidos torna o dólar globalmente mais interessante, por atrair recursos para o mercado de renda fixa norte-americano, além de ser considerado um investimento seguro, ao contrário do real.

Um movimento recente de depreciação da moeda brasileira é majoritariamente explicado pelo exterior adverso, “mas o cenário doméstico é a cerejinha do bolo”, disse Marco Caruso, economista-chefe do Banco Original, citando a deterioração da credibilidade fiscal do Brasil com a PEC dos Auxílios, sancionada na semana passada.

Com custo estimado de R$ 41,25 bilhões, a PEC é a aposta do governo para tentar turbinar a popularidade do presidente Jair Bolsonaro (PL), que tenta a reeleição este ano.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

Bolsa abaixo dos 99 mil pontos

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), caiu 0,11% e fechou aos 98.924,82 pontos, após ter emendado cinco pregões em alta. Na semana, a Bolsa teve valorização de 2,46%.

A equipe de análise técnica do Itaú BBA destacou que o Ibovespa mostra dificuldade em superar a região dos 99 mil pontos e retomar o movimento de recuperação em busca dos 102.300 pontos —patamar que mantém o índice em tendência de baixa.

“Por ora, sugerimos prudência, preferência por ações que estão acima da média móvel 200 e posicionamento de ‘stops’ para ativos que perderem suportes importantes”, afirmaram os analistas em relatório a clientes.

*Com Reuters

Fonte UOL

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI
Já assistiu aos nossos novos vídeos no
YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!