As cinco piores ações da Bolsa em junho: Estapar cai 46%

Junho não foi um mês fácil para o mercado de ações. Mas para algumas empresas, foi ainda pior. Dentre elas, a Estapar (ALPK3), de estacionamentos. Enquanto o Ibovespa ficou negativo em 11,39% (entre o dia 1º e o fechamento de 24 de junho), as ações da Allpark Empreendimentos, dona da marca Estapar, tombaram 46,22%, conforme Levantamento feito pela Economatica.

A Estapar precisou levantar dinheiro com investidores às pressas, é uma empresa pequena e fora do radar de investidores, tem muitas reclamações com consumidores e uma grande dívida. Veja o que levou a essa queda nas ações e o que dizem analistas.

No mesmo intervalo, a Atma S.A. (ATMP3), de atendimento ao consumidor, despencou 44,62%. O site de revenda de artigos de segunda mão, Enjoei (ENJU3) encolheu 42,50%. Sem ultrapassar a barreira dos 40% – mas chegando muito perto – ficaram a empresa de propaganda em Eletromídia (ELMD3), com 38,60% negativos e a fabricante de semirreboques e tanques, Recrusul (RCSL4), com 37,88%.

O que essas empresas têm em comum?

Três delas – Estapar, Enjoei e Eletromídia – abriram seu capital recentemente, entre 2020 e 2021. Todas são do setor de serviços, estão fora do Ibovespa e são, comparadas com as gigantes da Bolsa, empresas pequenas, ainda com potencial de crescimento.

“Essas empresas costumam ter uma liquidez muito baixa”, diz Carlos Daltozo, chefe de análises da Eleven. Ou seja, são ações que não são procuradas pelos investidores. Costumam ser difíceis de vender. Mesmo Recrusul, que fez abertura de capital em 1985, e Atma, que chegou ao mercado em 2001, são pouco conhecidas e isso influi muito, diz Daltozo. “A gente mesmo não acompanha essas empresas porque elas têm um volume de negociação abaixo de R$ 3 milhões por dia”, explica ele.

Empresas pequenas apanharam muito este ano com os investidores procurando ativos mais seguros. “Em épocas de crise, com juros altos, inflação em escalada, os investidores procuram empresas mais antigas e, geralmente, do setor de commodities (produtos básicos) para aplicar seu dinheiro”, diz Virgilio Lage, especialista da Valor Investimentos.

Prova dessa fuga é que, no acumulado do ano, enquanto o Ibovespa encolheu 3,20% (em relação ao fechamento do dia 28), o índice das pequenas empresas (as “small caps”) da Bolsa – ficou negativo em 15%.

E por que a Estapar caiu mais que as outras?

A Estapar fez sua abertura de mercado às pressas em maio de 2020, bem no início da pandemia, quando os investidores fugiam do mercado de ações. Ela precisava levantar R$ 600 milhões para pagar a concessão da Zona Azul no município de São Paulo. A companhia captou R$ 345,3 milhões em uma semana e pagou a parte da licitação na outra.

Na época, o banqueiro André Esteves, dono no BTG Pactual, era o principal acionista da Estapar, com 47,7% do capital (esse percentual se mantém). A empresa também tinha como acionistas a Equity International, do bilionário Sam Zell, e um fundo da gestora Crescera, que até 2018 tinha como um dos sócios o ministro da Economia, Paulo Guedes. Em 22 de junho, um dos fundos vendeu ações e a participação do BTG aumentou sua participação para mais de 50%.

A empresa tem uma dívida de que no primeiro trimestre deste ano totalizou R$ 757 milhões. Houve uma redução de R$ 97,1 milhões frente ao endividamento de 31 março de 2021. Mas ela continua estável em comparação a 31 de dezembro de 2021.

Outra coisa que piora a liquidez da empresa é o atendimento ao consumidor. O número de reclamações contra a empresa e, principalmente, em relação a seu serviço de Zona Azul aumentou 37% este ano em relação ao total do ano passado. Em 2021, foram 62 queixas formalizadas no Procon-SP. Este ano, até 27 de junho, são 85. A empresa não quis comentar o assunto pois está em período de silêncio. Uma fonte próxima da empresa, que não quis se identificar, disse que o aumento de reclamações este ano, em relação ao ano passado, é natural, já que com o fim da quarentena os serviços da empresa estão sendo mais usados.

Sem análises

A falta de bancos e corretoras analisando o ativo é outra coisa que puxa para baixo o ativo. A XP era uma das poucas que fazia isso. Iniciou em abril do ano passado a cobertura de Estapar. Mas na semana passada, no dia 22, suspendeu o acompanhamento. Em um de seus últimos relatórios sobre a empresa, a corretora ressaltava que um dos empecilhos para o crescimento da companhia era a diminuição da aquisição de carros pelas famílias e o aumento das corridas por aplicativo.

Fonte UOL

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI
Já assistiu aos nossos novos vídeos no
YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!