‘Sheik da criptomoeda’ tem jatinho de R$ 79 mi bloqueado pela Justiça

Investigado por fraude em um esquema envolvendo moedas digitais, Francisley Valdevino da Silva, conhecido como Francis da Silva, ou Sheik, tem ao menos um jatinho de R$ 79 milhões e um imóvel comercial em Curitiba avaliado em mais de R$ 2,2 milhões.

Os bens foram levantados por advogados de clientes lesados da Rental Coins — uma das empresas de Silva. Os dois bens constam como bloqueados pela Justiça. Entre as vítimas, estão Sasha Meneghel e o marido dela, João Figueiredo, que teriam perdido R$ 1,2 milhão no esquema.

As vítimas afirmam que Silva captou dinheiro, investiu em um ativo digital e sequestrou os recursos, devolvendo para eles uma criptomoeda falsa, chamada Mindexcoin, que não tem valor algum no mercado e não é encontrada em corretoras.

O UOL procurou o advogado Alan Luciano, que representa a Rental Coins, mas não obteve retorno. A reportagem será atualizada assim que vier a manifestação.

Jatinho de R$ 79 milhões

A aeronave é um Cessna Aircraft, modelo C680, fabricado em 2008. Com capacidade para transportar nove passageiros, um jatinho desses pode ser encontrado por US$ 15 milhões — equivalente a R$ 79.837.500,00 na cotação de hoje — no mercado de venda de aeronaves usadas.

A aeronave foi transferida para a ITX Administradora de Bens LTDA em 2019, segundo registro da ANAC (Agência Nacional de Aviação). Essa empresa tem como sócio-proprietário Francisley Valdevino da Silva.

jatinho - Reprodução - Reprodução

Cessna Aircraft, modelo C680, fabricado em 2008, foi bloqueado pela Justiça

Imagem: Reprodução

Já o imóvel em Curitiba está no nome da Interag Administração de Fundos Ltda, que tem como “administrador” o Sheik das criptomoedas. A propriedade foi adquirida em novembro de 2021 e, desde março de 2022, consta como indisponível por conta de um processo judicial contra a empresa.

O advogado Jeferson Sarandy Brandão explicou ao UOL que está representando cerca de 200 clientes lesados pela Rental Coin. “E o número não para de crescer. São pessoas que investiram R$ 1 milhão, R$ 5 milhões, mas tem pessoas que me procuraram e disseram que deram R$ 2 mil, R$ 10 mil.”

Entre os clientes de Brandão, estão estrangeiros dos Estados Unidos e Itália. Segundo o advogado, já foram identificadas mais de 100 empresas na qual o Sheik tem ligação que teriam sido usadas para ocultar bens.

A defesa dos clientes lesados já ingressou com diferentes pedidos de arresto de bens em tutela antecipada. “A gente está monitorando e indo atrás de bens para que as pessoas tenham uma chance para receber, mas o que a gente já sabe é que não tem dinheiro para todo mundo”, relata Brandão.

Fonte UOL

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI
Já assistiu aos nossos novos vídeos no
YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!