Acusado de torturar e ameaçar homem por grilagem de terras é preso em fazenda de Vale do São Domingos

Entre no grupo do Olhar Cidade no WhatsApp e receba notícias em tempo real CLIQUE AQUI

Ele estava em uma fazenda no município de Vale do São Domingos

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Um homem de 37 anos, investigado pelos crimes de tortura, sequestro e cárcere privado, que envolvem grilagem de terras na região, foi alvo de mandado de prisão. Ele estava em uma fazenda no município de Vale do São Domingos.

Contra o alvo da prisão foi cumprido também mandado de busca, que resultou na apreensão de quatro armas de fogo, duas delas de pressão, mas adaptadas, além de luneta, munições. As ordens judiciais foram executadas por equipes das Delegacias de Pontes e Lacerda e de Jauru.

Outro funcionário da fazenda foi preso por posse ilegal de arma de fogo e contra ele foi constatado um mandado de prisão preventiva oriundo da Comarca de Ji-Paraná (RO).

Crime

Conforme a apuração realizada pela equipe de investigação da Delegacia de Pontes e Lacerda, no dia 09 de setembro deste ano, a vítima, de 44 anos, voltava por uma estrada rural quando foi abordada por duas pessoas.

Armados com uma carabina e um revólver, os suspeitos realizaram disparos contra o veículo e próximo da vítima, a obrigando a parar e fazendo ameaças, de que estavam há tempos procurando por ela.

Em seguida, os suspeitos mandaram a vítima deitar no chão e lhe amarraram os braços, a conduzindo em seguida para a fazenda onde foram cumpridas as buscas nesta quarta-feira.

Na propriedade, a vítima permaneceu amarrada pelos braços e pernas a noite toda e a todo momento, os suspeitos apontavam uma arma de fogo e faziam ameaças de morte.

Posteriormente, ela foi levada até outro local, onde havia sinal de celular, e os suspeitos fizeram contato com outra pessoa. Depois, fizeram dois disparos próximos à cabeça da vítima que, em seguida, sofreu novas ameaças de morte e tortura, inclusive contra sua família.

No dia seguinte, por volta das 15 horas, a vítima foi liberada do cárcere privado e procurou a Polícia Civil, informando que trabalha há vários anos na região e não havia passado anteriormente por nenhuma situação semelhante.

A partir das informações coletadas, o delegado Marlon Luz representou pelas medidas judiciais, necessárias para coletar novos elementos que vão subsidiar o inquérito sobre  prática dos crimes de tortura, sequestro e cárcere privado, além do possível envolvimento de outras pessoas. 

Fonte: Portal Sorriso

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube ? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *