Após boatos de delação, Silval sofreu ameaças de "parceiros de corrupção" dentro do CCC e resolveu confessar

As ameças, segundo ele, teriam partidos de antigos parceiros de corrupção.

Em 14/06/2017 03:17:00 na sessão Estado

Foto: Divulgação

Os boatos de que Silval Barbosa estaria negociando um acordo de delação premiada com o Ministério Público Estadual (MP-MT) fizeram com que o ex-governador fosse "pressionado" dentro da cadeia para que não relatasse os crimes cometidos. As ameças, segundo ele, teriam partidos de antigos parceiros de corrupção. 

Diferente do que as ameaças previam, no entanto, Silval decidiu colaborar com a Justiça, sem firmar nenhum acordo. O ex-governador passou a contar os crimes cometidos quando ele ainda estava à frente do Executivo Estadual e, além disso, se comprometeu a devolver cerca de R$ 46 milhões em bens.

Segundo Silval, as falsas notícias de delação fizeram com que não só ele mas também muitos de seus familiares sofressem represálias e ameaças que teriam sido feitas por antigos companheiros de corrupção. No pedido, o ex-governador também se comprometeu a identificar "futuramente" as pessoas que o ameaçaram.

Além disso, as ameaças também demonstraram a necessidade do ex-governador sair o mais rápido possível da prisão, onde poderia se tornar alvo fácil de muito dos seus inimigos. Teria sido este um fatos determinantes para que Barbosa realizasse a confissão e, posteriormente, entrasse com pedido pelo direito de cumprir prisão domiciliar. Segundo ele, existe um clima de "insegurança" no Centro de Custódia da Capital (CCC), onde está preso.

"O réu explica que em razão de sua nova postura defensiva e de boatos de que estaria negociando colaboração premiada tem se sentido inseguro no interior do cárcere, já que tem sido pressionado por pessoas as quais compromete-se a identificar futuramente, que temem ser citados em eventual celebração de acordo de colaboração premiada", diz relatório da juíza Selma Arruda. 

Bens a serem entregues



Para tentar demonstrar o compromentimento com a Justiça, a defesa de Silval também se comprometeu a entregar cerca de R$46.624.690,30  em bens à Justiça. Ao todo são cinco imóveis e uma aeronave avaliada em R$ 900 mil. Entre os mais importantes imóveis, está a Fazenda Serra Dourada II, localizada no município de Peixoto de Azevedo, avalaida em R$ 33.144.381,55. 

Veja lista completa dos bens:



a) um lote urbano localizado no município de Sinop com dois mil e quinhentos metros quadrados avaliado em R$ 860.000,00;

b) uma área rural de 4.114,9550 ha , localiz41 eix to de Azevedo, denominada Fazenda Serr3 1 rada I, avaliada em R$ 33.144.381,55;

c) uma área rural de um 1.248,6647 ha localizada em Peixoto de Azevedo, denominada Fazenda Lagoa Dourada 1 avaliada em R$ 10.497.101,23;

d) uma aeronave prefixo PT- VRX modelo EMB-810D, avaliada em R$ 900.000,00;

e) um imóvel localizado nos lotes 1 e 2 Quadra 13 da Rua Amsterdam Bairro Rodoviária Parque em Cuiabá, com edificação, avaliado em R$ 1.223.207,34.

Fonte: Olhar Direto



Por Leidieli Lima 14/06/2017 03:17:00

Mais notícias da sessão: Estado